socializar, dublin, brasileiros, festa

Existe apenas uma estimativa do número de brasileiros que vivem na Irlanda: cerca de trinta mil pessoas. Esse cálculo geral pode excluir os brasileiros que entraram no território com dupla cidadania

, os que não se registraram na Embaixada do Brasil em Dublin, e, claro, as pessoas que entraram no país legalmente, mas estenderam sua estadia por conta própria - tornando-se ilegal com o tempo.

Sem entrar nas questões mais filosóficas de que “todos os humanos deveriam ser legais” ou fato de que “fronteiras são construções imaginárias”, é uma parte real desses dados. A Irlanda é um dos poucos países de língua inglesa na Europa que facilita a entrada e emissão de vistos para estudantes de línguas. Visto que a ilha concede a possibilidade de trabalhar até 20 horas por semana e possui um dos maiores salários mínimos da Europa, rapidamente se tornou um destino muito atrativo para os brasileiros de classe média. Notavelmente, as pessoas que queriam melhorar o seu Inglês e ter uma experiência no exterior - e lógico, quem poderia pagar os três mil euros exigidos para entrar no país.

A comunidade brasileira em Dublin é enorme. É impossível andar pela O'Connell Street ou quaisquer ruas no centro da cidade sem ouvir várias pessoas falando Português do Brasil. Mas se isso pudesse contar como um sinal positivo de que, aqui, os brasileiros não sentiriam o isolamento cultural enfrentado em outros países, por um outro lado não há muitas oportunidades para os brasileiros se unirem como comunidade.

Claro, sempre há festas e eventos, mas não há lugar para vir e discutir ou organizar nossa experiência como uma comunidade válida e numerosa na Irlanda. Eu acho muito difícil socializar, por exemplo, devido a vários motivos. Como as pessoas chegam basicamente com um objetivo estabelecido em suas mentes e tempo limitado para realizá-lo, eles ficam muito ocupados com trabalho, mas ao mesmo tempo cansados da rotina e também da falta de luz solar. É muito difícil formar laços mais profundos porque as pessoas vêm e vão o tempo todo. Os turnos de trabalho variam e constantemente algum colega não pode participar de reuniões entre amigos. Além disso, devido ao constante mau tempo, os únicos lugares quentes e secos para ir são destinados ao consumismo (pubs, restaurantes, shoppings), no entanto, a maioria dos lugares fecha muito cedo comparação ao Brasil. Lojas geralmente fecham às 19h, restaurantes às 11h e pubs às 3h. Casas mais acessíveis vêm sem qualquer área comum uma simples sala de estar para receber amigos (que geralmente são transformados em quartos com beliches caber mais pessoas na casa para deixar o aluguel mais baixo), e ter apenas micro cozinhas. Todos esses detalhes juntos podem dificultar a criação de um senso de pertencimento e gerar bem-estar. Não há lugar para discutir essas questões e participar ativamente para mudar as condições de vida nosso migrante na Irlanda.

Além disso, a embaixada brasileira compartilha o prédio com outras empresas, e não parece proporcional ao número de brasileiros no país. Em outras cidades como Berlim, por exemplo, a embaixada é um edifício inteiro com um grande salão onde eles podem hospedar eventos como indoor festas juninas, por exemplo. Na Irlanda, ao invés disso, a embaixada é uma sala escura e pequena, que ao invés de fomentar a divulgação de negócios brasileiros, os mesmos tem como principal meio de comunicação o grupo “Classificados Dublin”, que é outro local virtual focado em vendas ao invés de contato humano e discussão de idéias. Sem dúvida, existem vários brasileiros de sucesso na Irlanda, como o ícone brasileiro Gretchen que foi recentemente entrevistada por Tatá Werneck, e durante esse show ela confessou que sua agência está sediada em Dublin - mas nunca ouvi falar dela. E eu moro na Irlanda há quatro anos, tenho interesse em artes e envolvimento nas artes. Quem são essas pessoas? Onde estão eles?

Somos uma comunidade muito grande e as leis que estão sendo aprovadas na Irlanda também nos afetam. Além disso, os problemas que enfrentamos no país são muito específicos. Eu sinto falta de ter um lugar onde pudéssemos nos reunir e conversar como uma comunidade. Alguns grupos que tentaram organizar este tipo de eventos falharam miseravelmente, como o grupo político Brazilian Left Front. Como muitos membros da comunidade não apenas não se identificam como políticos, mas também não se inscrevem na esquerda política, eles rejeitaram várias oportunidades para debater e se unir.

Metade dos eleitores brasileiros registrados nas últimas eleições presidenciais votou pela extrema direita, por exemplo. O fato de os migrantes terem votado em um candidato que é contra os problemas dos migrantes apenas indica a necessidade de os brasileiros olharem uns para os outros e ter um lugar mais calmo para discutir ideias, fazer perguntas e falar sobre o assunto - questões que enfrentamos como um coletivo. Fora da internet. Pode também ser um indicador de que, sejam quais forem as más circunstâncias enfrentadas aqui, como os migrantes são considerados temporários, e fruto de sua própria volatilidade, ao contrário dos refugiados e dos que procuram asilo. Essas pessoas sabem que sua situação em casa é muito melhor, e podem voltar a ela sempre que quiserem. Então eles não se envolvem, não querem saber a realidade e as histórias de vida que levaram cada um de nós para onde estamos hoje, ou se preocupam se todo mundo está indo bem.

Socializar em pubs pode ser ótimo para aqueles que acabaram de chegar, pessoas que não se importam de competir com o barulho, não se importam com o preço do álcool e gastam um equivalente a uma hora de trabalho por um litro ou dois. Fora isso, é meio chato que pubs são o único lugar para se conhecer, pelo menos para mim. Você concorda?


Sobre o autor: Alexandra Soares
Alexandra Soares é bacharel em Letras (inglês-português) pela PUC-Rio e tem um mestrado em Women’s Studies (Estudos feministas) pela University College Cork. Nos últimos oito anos ela vive na Europa, experimentando a vida pela perspectiva de uma mulher latinoamericana imigrante e bissexual. Ela já viveu no Brasil, Alemanha, Bélgica e, finalmente, na Irlanda. Ela sente falta de casa, da família e dos amigos. É apaixonada por gatos, astrologia e políticas de gênero e sexuais. Ela canta e compõe músicas para o projeto de eletro-pop SourcebeatS, em Dublin.
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

BRASILEIRO NA GALERIA DA IRLANDA #oi.ie

Pegue sua foto listada no site oi.ie. Basta usar a hashtag # oi.ie ao enviar uma foto para o seu instagram.

LINKS E RECURSOS

Veja abaixo algumas informações úteis e sites relacionados a brasileiros na Irlanda. Clique em qualquer um dos links para abrir.

Oi.ie Newsletter...

Receba as últimas notícias, notícias e blogs diretamente na sua caixa de entrada. Inscreva-se usando o formulário abaixo, você pode cancelar a inscrição a qualquer momento.

Escreva para nós...

Obtenha sua história listada no Oi.ie e compartilhe sua experiência com milhares de outras pessoas, ou contribua como autor em nossa plataforma.

ENVIE SUA HISTÓRIA  ESCREVA PARA NÓS

Você também pode enviar um e-mail para info@oi.ie para quaisquer outras consultas.

Back to Top

Scandal HQ Satire