Notícia

A Blue Duck Company traz scooters elétricos para o mercado de Dublin, Irlanda

Após ter perdido contrato para operação de patinetes na sua cidade natal, a empresa Blue Duck, startup de compartilhamento de patinetes elétricos, decidiu levar seus produtos para a Irlanda.

A startup anunciou um programa piloto em Dublin que fará dela a primeira operadora de patinetes compartilhados do país. O programa será, inicialmente, restrito ao campus da Dublin City University já que, atualmente, os patinetes elétricos não possuem direito de tráfego em vias públicas da Irlanda. Todavia, isso poderá mudar em breve se o projeto de lei que altera a Lei de Tráfego Rodoviário da Irlanda for aprovado.

Durante o programa piloto, a Blue Duck realizará uma parceria com a Luna, empresa de tecnologia de GPS localizada em Dublin. Os dispositivos da Luna, diferente dos GPS normais que medem em metros, serão capazes de indicar a localização de um patinete dentro de um raio mínimo de cinco centímetros.

Em comunicado, o CEO da Blue Duck, Michael Keane, afirmou que a mencionada tecnologia ajudará a empresa a localizar seus patinetes com uma melhor precisão no campus, além de manter os requisitos da vigilância geográfica, de forma que os dispositivos parem de funcionar lentamente ao alcançar uma área em que o tráfego de patinetes é proibido no país.

Após fracassar em sua tentativa de assinar um dos três contratos para operação de patinetes em San Antonio, a empresa renovou sua equipe, substituindo o antigo CEO Eric Bell, o que resultou em um aumento do seu capital. Tal acúmulo financeiro impulsionou a expansão dos negócios para outras inúmeras cidades do Texas.

Apesar de alegar que planeja focar seu crescimento no sudeste dos EUA, a empresa pretende usar o programa piloto em Dublin como um teste para futuras operações no continente europeu. Segundo Keane, por a micromobilidade ser mais amplamente adotada na Europa do que nos EUA, as empresas de patinete que operam nesses lugares obtêm um maior sucesso.

“Seria um ponto de apoio interessante para nós”, disse o CEO, referindo-se a entrada da empresa no mercado da Irlanda, mediante o programa em Dublin.

Author: Thiago

Mudei-me para a Irlanda 2012. Trabalho como administrador de empresas e viajo muito para a Europa com meu trabalho. Gosto de escrever e de atletismo durante minhas férias e tento visitar amigos e familiares todos os anos no Brasil.
or connect on social media below: